Sábado, 17 de Novembro de 2007
O que uma pessoa faz para não estudar!...
Apercebo-me agora que acabo de relatar uma telenovela em tempo real. Para toda essa vasta plateia do Monstro Bolero. E ali ao lado continuam o Roland Barthes, o Albert Camus, o Sartre, todos à minha espera. Mas eu continuo a preferir a Teresa Guilherme, que agora tem de despir as roupas ensaguentadas com que assassinou o marido, ajudada pelo Padre Amaro... mas fazem-no de forma sexy, antes de as atirar para a lareira. Resistirei a isto?
Penso que não.

tags: ,

escrito por Joan@ às 16:32
dizer coisas | comentários (3) | partilhar

Teresa Guilherme enrola o cadáver do marido, que por acaso até é o Zé Pedro Gomes, numa toalha de mesa, enquanto vai conjecturando a desculpa que vão dar para não descobrirem que o mataram. Um plágio descarado da Maddie. Vão dizer que ele desapareceu. Com uma variante: vão dizer que foi à caça e nunca mais voltou. Os McCann pelo menos tiveram a decência de perceber que não se imagina a pequena Madeleine com botas de caça a fazer pontaria às perdizes. Ao menos isso. Teresa Guilherme já não tem discernimento para tanto, e acaba de beijar o Jorge Corrula, que era o Padre Amaro e andava com a Soraia, que agora está feia. Entretanto a Sofia Padrão, que andava com o Diogo Morgado no Amo-te Teresa, deixa cair a mala de cima do prédio e a multidão grita em pânico, achando que ela se suicidou. Não. Ainda não foi desta.

Agora é que foi. Saltou mesmo. Mas salto encarpado, daqueles bons. E caiu em cima de um Fiat encarnado. Que pontaria.


escrito por Joan@ às 16:20
dizer coisas | partilhar

Olha afinal parece que já não há Zé Pedro Gomes. Acabaram de o matar. Foi uma passagem rápida, contudo dolorosa, pelo drama.
Isto parece giro. O filho matou o pai com a faca da fruta, uma mulher baldou-se da escadaria das Amoreiras a baixo, rebolando como um saco de batatas, e agora a Ana Padrão vai saltar de um prédio, apesar dos conselhos acertados que lhe dá um psicólogo ao melhor estilo Eduardo Sá.
Agora também há o João Lagarto a dormir com a São José Lapa. Assim não. Isto começa a ser repugnante!



escrito por Joan@ às 16:16
dizer coisas | partilhar

É impressão minha ou esta nova telenovela da SIC, "Resistirei", é uma "Vingança" com novos penteados? Tipo ... colecção Outono/Inverno. Os mesmos cenários, os mesmos actores, as mesmas cores, só mudam mesmo os caracóis ou o frisado do cabelo. Ah, e o sempre-engraçado-contudo-agora-mostrando-que-é-sério-e-dramático-actor-de-comédia. Troca-se uma Maria Rueff por um Zé Pedro Gomes, porque está mais dentro dos tons e tendências da estação.


escrito por Joan@ às 16:07
dizer coisas | partilhar

Domingo, 11 de Novembro de 2007
Descobri há menos de 24 horas que... Benazir Bhutto é uma mulher!
Depois disto, o que faltará? Se me dizem que a Dalai Lama não é uma senhora, ou que o Meryl Streep não é um homem, não sei se o meu coração aguentará.


escrito por Joan@ às 17:51
dizer coisas | comentários (1) | partilhar


Já aqui falei da Leopoldina (nem podia ser doutra maneira, ela é sinónimo de Natal, e de parvoíce - coisas que abundam por aqui). Já tinha reflectido sobre a sua essência, já tinha proposto aqui o debate das problemáticas que envolvem a dita avestruz. No fundo, já vos tinha altertado para o ridículo de um supermercado ter uma ave amarela e desproporcional a convencer as pessoas a comprarem cds e livros de encantar. Pois, podem esquecer tudo isso. O nível de ridículo acaba de ser suplantado por uma coisa (nem sei se será um animal) chamada.. Popota! É triste. É muito triste, mesmo. Primeiro, imitar a ideia peregrina de ter um bicho a estimular o consumo. Depois a ideia desse bicho ter uma cor absurda para o reino animal. Neste caso, o cor-de-rosa. Por fim, a ideia de lhe dar apenas meio nome. Popota? Popota não chega a ser coisa nenhuma. Fica pela intenção (que nem sequer é boa). Nem sequer é uma mascote. É um híbrido sob a forma de desenho. E nem sequer tem um mundo encantado de brinquedos. Só uma mísera quinta. Nem quero imaginar que espécies alberga lá. Talvez um Rik e Rok, que nunca ninguém percebeu bem o que são ou o que fazem. Se enveredassem pela carreira política, seriam um Bernardino Soares, que também é redondinho e tudo.
Calculo que a próxima campanha do Modelo junte Popota a Cristiano Ronaldo, que aparecia nos últimos anúncios vestido de "Ken Comandante". Faz todo o sentido. Além de serem da mesma faixa etária e partilharem o gosto por indumentária cor-de-rosa, têm feições muito parecidas, e parecem estar sempre a achar tudo "espectacular".

tags:

escrito por Joan@ às 16:40
dizer coisas | comentários (2) | partilhar

É oficial. Portugal é um país do terceiro mundo!
Já tinhamos a despesa pública, o PIB, o orçamento de Estado, o discurso da "tanga", a própria tanga, os debates encalorados e ruidosos, os reality shows, as telenovelas, os preços no supermercado, a pose, atitude, a forma de falar, todos eles condizentes com um território subdesenvolvido.
Faltava o clima.

Já não nos falta nada.


escrito por Joan@ às 16:33
dizer coisas | partilhar

Uma ilustre figura das Condutoras de Domingo reflectiu esta semana sobre o fenómeno dos pais natais trepadores.
Eu já o tinha feito uma vez, o ano passado... Embora a minha visão das coisas seja diferente (o optimismo inocente da juventude!), aqui fica:

Porque é que ninguém ajuda os pais natais espalhados por esse país fora, em janelas e parapeitos?
Numa época em que há donativos para os bombeiros de Piódão, as crianças malaias com nomes começados por Z e terminados em F, os senhores da recolha do lixo, os três pintos coxos que nasceram em Alpiarça, ou até mesmo para o senhor que já morreu há seis anos, mas cujo apelo dramático para doação de um rim continua a circular via mail, custava alguma coisa dar um empurrãozinho aos milhares de pais natal que tentam, em vão, entrar pelas janelas portuguesas?? É que se ninguém tomar uma posição, o mais certo é que até dia 25 o movimento se inverta e se suicidem aos mil. Um Pai Natal não é de ferro, e depois de uma escalada inglória de dias a fio, com as noites a arrefecerem cada vez mais, a vontade de desistir é mais que muita – o abismo, de repente, parece terrivelmente tentador. E depois, imaginem o cenário… pais natais enforcados nas torres de Lisboa, esmagados por entre o transito da VCI, tornando as manhãs portuenses ainda mais caóticas, pais natais a boiar nas piscinas municipais, enfim, um derramamento de sangue que em nada se coaduna com uma época destas. Não custa nada dar-lhes uma mãozinha! Só lhes falta "um bocadinho assim!"

tags:

escrito por Joan@ às 16:31
dizer coisas | comentários (1) | partilhar

Suspeito que este ano toda a gente vai oferecer uma chávena de café como prenda de Natal. Não sei bem como embrulham, nem como o mantêm quente até lá, mas a avaliar pela fila na loja da Nespresso... Só vejo essa explicação. Ou isso, ou estava lá dentro o George Clooney. Provavelmente sentado numa poltrona a fingir de Pai Natal, a avaliar pelo que tenho visto por aí.
O preço de ser fashion paga-se sempre bem caro. Ou se está em casa a ver horas a fio a Sic Mulher com os "queridos" a acartar sofás, ou se vai para a rua e acaba-se numa fila de 3h por um "cafézinho divinal", de um lote seleccionado.

tags:

escrito por Joan@ às 16:22
dizer coisas | partilhar

E... começou a grande corrida às prendas de Natal.
O pelotão já vai lançado lá na frente. Junto aos Armazéns do Chiado os atletas da categoria dos pesos pesados já iam lançados, com as mãos cheias de pó de talco para agarrarem em sacos tão volumosos.
Eu costumava ser perita em falsas partidas. Em Novembro já ia na linha dianteira, e aguentava bem a passada até ao fim. Com lista de familiares, amigos, ideias de prendas, roteiro de lojas. Uma coisa assim em bom. Tipo prova de orientação. Agora, nada disso. Limito-me a desviar-me dos corredores que vêm contra mim.
Estou preocupada, acho que vou chegar à meta em último lugar. E de mãos a abanar!

tags:

escrito por Joan@ às 16:15
dizer coisas | partilhar

contacto
joanabm@gmail.com
monstro's book
o chefe recomenda...
já moles...
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D


2004:

 J F M A M J J A S O N D


acabados de fazer...

2012 - ainda posso submet...

Aniversários

balançar 2011

O medo é uma cena que me ...

"Férias são férias, aqui ...

O ano dos avós

Sobre o tradutor da TV7 D...

Tenho para mim que...

tags

todas as tags

subscrever feeds